Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Nuno Crato, ministro da educação, acerca das provas dos professores, pronunciou a sua sentença: “Quem dá 20 erros por frase não pode ser professor.” Vinte erros numa frase? Não estaremos a exagerar, senhor ministro? Sem tomar partido por nenhum dos lados (porque efectivamente acredito e conheço professores que escrevem incorrectamente), este número soa-me exagerado. Ou será que, afinal, a literatura de José Saramago influenciou todos os nossos professores, e todos eles se tornaram mestres nas longas dissertações? Porque há que ver objectivamente; dar 20 erros ortográficos numa frase, essa frase, ou estará toda ela mal escrita, ou então terá para cima de 40 palavras (evocando uma já ridícula média de 50% de erros). Confusos? Certamente!

Ora vejamos. Uma frase de vinte palavras:

“O autor do texto quis expressar com esta afirmação a importância de expor os seus sentimentos, e ainda aludir à sua condição social, reforçando assim a ideia da precaridade vivida na sua época.”

Muito bem, mais coisa menos coisa, 20 palavras. Para existir a tal média de 50% de erros, teremos de ter uma frase mais longa; algo como:

“Sabendo que na época se vivia precariamente, o povo era forçado a trabalhar nos campos, deixando para segundo plano a alfabetização, tão importante para o seu futuro, como mais tarde se viria a verificar pelas baixas alternativas de emprego, impossibilitando-os de concorrer a anúncios com maior exigência académica, remetendo-os para os trabalhos focalizados no sector primário, com ordenados diminutos!”

Ufa! Escrever frases com cerca de 40 palavras é obra. Não é para todos! Assim, é normal existirem erros, nem que seja a nível de sintaxe. Isto é apenas um exemplo. Um exemplo de que é quase impossível dar 20 erros ortográficos numa frase. Como serão essas frases? Coloquemo-nos no plano da adivinhação:

“O autor do têsto quiz espreçar com esta afirmassão a importânsia de espor os seus semtimentos, e ainda alodir há sua condisão sosial, reforsando açim a idea da percariadade vivida na sua hépoca.”

Não! Não acredito que seja possível dar 20 erros numa frase! Se queremos fundamentar tomadas políticas rebuscadas, que o façamos com a referida dignidade que deverá assistir a qualquer professor, e não ceder à resposta quente e fácil de quem parece não ter por onde pegar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:33


6 comentários

Sem imagem de perfil

De NP a 28.01.2015 às 11:17

ah! muito boa dissertação!
ou será dicertação? ou dicertassão... ai... dissertassão? não?
Imagem de perfil

De Vasco a 02.02.2015 às 20:07

Muito bem!!!!!!!!
E o que dizer dos exames nacionais, onde os alunos podem usar o AO ou não ou ambas as grafias? O Sr. Ministro, até de matemática já não sabe o que diz (cf. as metas, por exemplo, do 5.º ao 9.º anos).
Abraço.
Imagem de perfil

De fernandodinis a 03.02.2015 às 12:43

Paulo, apontas outro assunto pertinente. Basta ver a quantidade de escritores e jornalistas que se recusam a escrever segundo o novo Acordo Ortográfico. Eu também não escrevo, mas como pai de uma criança de oito anos, reconheço que tenho de ter a 'ginástica' para saber escrever das duas formas, ou estaria a prejudicá-lo nos trabalhos de casa, na preparação para os testes, etc...
Abraço

Imagem de perfil

De Vasco a 03.02.2015 às 15:05

O problema são as incongruências ainda existentes que nos deixam, a nós professores, muitas vezes em dúvida. O priberam é um dos meus maiores aliados! Os manuais escolares têm erros (ortográficos, como se já não fossem suficientes os científicos)... O tema continua muito complexo. E irritante, até. Então para nós das ciências exatas
Imagem de perfil

De fernandodinis a 03.02.2015 às 15:34

O Priberam é, sem dúvida, uma óptima ferramenta.
Coragem Paulo!
Abraço
:-)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D