Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Seremos a nova Praga?

por fernandodinis, em 02.06.15

10941918_1594740947412531_7523918806309476375_n.jp

 © Fernando Dinis - All rights reserved

 

Que Lisboa está na moda já o sabíamos, e as distinções que a capital tem vindo a receber comprovam-no. Como fotógrafo, há três anos que percorro a zona do Chiado a fazer Street Photography, e confirmo-o na primeira pessoa. Mas segundo a notícia do Público, há quem se sinta apreensivo com esta inundação de turistas.

Há dez ou doze anos, Praga, capital da República Checa teve igualmente um pico de turismo. Na altura comprava todas as revistas de viagens, e não existia um número cuja referência não lhe fosse feita. Em 2006 visitei finalmente a Ponte Carlos. Eu e milhares de pessoas.

Para não nos perdermos do grupo, possuíamos um aparelho de transmissão ligado a uns auscultadores. A ideia seria ouvir o que a nossa guia partilhava sobre a cidade, mas muitas foram as vezes que serviu para que não nos perdêssemos ou para voltar a agrupar-nos na esquina mais próxima. O hotel, apesar das prometidas 4 estrelas, parecia um arranha-céus de escritórios, cujo lobby se tornava intransitável, barulhento e infiel à viagem de descanso, glamour e cultura prometidos. Na rua, havia que ter atenção às 3 diferentes companhias de táxis (desconheço se ainda se mantêm), bem como às pululantes lojas de câmbio onde se fazia quase sempre mau negócio (na altura ainda não utilizavam o Euro).

O que hoje recordo dos locais de Praga é uma latente antipatia, falta de paciência para com os turistas e confusão generalizada, levando-me a pensar que não estariam preparados para uma escalada desenfreada de turismo. Comparar o povo de um país frio com os lisboetas pode não ser justo e levar-nos para fora da realidade. Mas receio que nos tornemos realmente um pouco amargos com quem nos visita. O que seria uma pena, quando levámos anos e anos a lamentar o contrário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:10


4 comentários

Imagem de perfil

De Inês a 12.06.2015 às 09:27

Olá Fernando!
Pois, também li esse artigo do Público e sinceramente achei-o um pouco infeliz. É verdade sim que Lisboa tem criado muitos serviços só para os turistas que podem não ser necessariamente típicos de Portugal (e.g. os tuk-tuks) mas não acho de todo verdade que o turismo tenha descaracterizado totalmente o centro histórico ou a cidade de Lisboa. Os elementos característicos continuam lá e por isso é que continuamos a ter tantos turistas.
Falando por experiência própria, tenho imensos amigos estrangeiros (EUA, Europa, Canadá) que não sabiam da existência de Portugal há uns 10 anos e que agora já quase todos me vieram cá visitar e adoraram tudo: as pessoas, a arquitetura, os espaços verdes, as praias, a comida, etc.

Se é irritante andar pelo Chiado e só ouvir falar inglês, alemão, francês, espanhol, etc.? Por vezes, sim, é. Mas também é um ótimo sinal (e um orgulho enorme para mim) que o nosso país finalmente é conhecido lá fora por alguma coisa para além da miséria da crise e do resgate económico!
Imagem de perfil

De Claudia a 12.06.2015 às 14:11

Concordo plenamente! Vários amigos meus estrangeiros têm vindo a Lisboa e adorado, de tal forma que regressam uma e outra vez! A história, a paisagem, a gastronomia, o clima, tudo os encanta e enche-me de orgulho. Finalmente Lisboa está no mapa, é pena que persistam tantos velhos do Restelo!
Imagem de perfil

De RP a 12.06.2015 às 15:54

Acho que não. Somos portugueses logo muito mais prestáveis que a maior parte dos países da Europa. Mesmo que fiquemos um pouco fartos conseguimos continuar a ser mais amáveis :) E Lisboa é, de facto, linda. Merece ser visitada e explorada... Assim como o resto do Portugal. Quando era miúda raramente ia a Lisboa. Nestes últimos anos descobri uma cidade encantadora, solarenga e simpática, há qual sempre que posso retorno :)
Imagem de perfil

De Hipsty Hibs a 12.06.2015 às 17:26

Como lisboeta é uma temática que reflicto diversas vezes.
Penso que uma das nossas características mais proeminentes é a hospitalidade e o espírito de "onde come um, comem dois", por esse motivo não me parece provável que nos tornemos antipáticos para os nossos visitantes.
A minha preocupação é com as infraestruturas. A nossa cidade é pequena e vejo com frequência zonas como o Chiado ou Alfama (zonas bastantes pequenas) lotadas de pessoas o que constitui um aspecto negativo na qualidade do nosso acolhimento. É importante, mais do que conquistar turistas, garantir que lhes oferecemos o melhor. De nada nos servirá ter muitos turistas se este não poderem ver as nossas pérolas.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D