Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



À Espera de Outro Mundo

por fernandodinis, em 05.12.16

0K.png

E se um dia a nossa forma de ver o mundo deixar de ser hipócrita? Degelo, incêndios, terramotos, subida do nível da água, seca extrema, fome, violência, guerra, religiões fanáticas, doença, raptos, violações, tráfico de droga, de orgãos, de pessoas, crianças sequestradas, discriminação, ódio entre povos, ataques nucleares, refugiados, assassinos, assassinatos, pessoas que fogem da guerra, pessoas que fogem da guerra mas que morrem afogadas, pessoas que fogem da guerra para iniciar novas guerras, monges budistas a imolarem-se pelo fogo, acidentes de viação, violência doméstica, violência psicológica, ditaduras, crimes cibernéticos, terrorismo, homens-bomba, mulheres-bomba, crianças armadas numa escola, poluição, aquecimento global, exploração económica, analfabetismo, pedofilia, prostituição infantil, abuso de poder, peculato, racismo.

Como funciona a nossa vida ao passarmos ao lado de tudo isto? Quão ardilosa é a nossa inteligência para que a realidade não nos afecte ao ponto de prosseguirmos na normalidade das nossas vidas? E o que seremos a mais do que outro ser humano para que tenhamos o privilégio de viver a vida que as sociedades inventaram para nós, quando noutros pontos não muito distantes não existe sequer a mínima dignidade humana?

Todas estas questões são colocadas de forma dissimulada, subliminarmente, no novo romance de Don Delillo. O famoso Zero K, nem sequer corresponde à sigla militar Zero Killed, mas sim ao grau zero na escala Kelvin, 270 graus Celsius negativos, utilizados na criopreservação de corpos. A criogenia como esperança de se regressar quando a ciência tiver respostas para as doenças que hoje nos abate. Ou a criogenia como possibilidade de suicídio, a morte antecipada, porque a realidade de hoje é insuportável? Confundem-se os conceitos, ou estão tão claros que os desejamos afinal dúbios? Um homem milionário que mostra ao seu filho a possibilidade de fuga de um quotidiano fingido e oco de sentido. E o que mais precioso podemos deixar aos nossos filhos do que a esperança de vida num mundo posterior que não seja este? Haverá algo de mais legítimo do que querermos proteger os nossos filhos? Quanto vale perante estas permissas todo o infindável dinheiro de um milionário? Mas nada disto está à mostra. A escrita directa e acutilante dissimula o essencial, contrapondo leitura e entendimento. Um desafio inteligente ao leitor, e conclusões exigentes a qualquer ser humano. Enquanto isso o mundo rola sobre si mesmo, e apesar de conhecermos o fim que nos espera, há esta capacidade de seguir em frente.

Fica a assinalável frase que se transcreve:

"Metade do mundo está a remodelar a cozinha, a outra metade está a morrer à fome."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:32

Os Livros Reencontrados

por fernandodinis, em 25.11.16

20060368_JwrwR.png

Como fotógrafo, desenvolvo desde 2015 o projecto The Booklovers, onde tenho tido o privilégio de fotografar alguns dos nossos escritores portugueses. Privilégio porque é sempre uma surpresa descobrir a pessoa que existe para lá do que lemos. O Nuno Costa Santos é uma dessas pessoas, já aqui escrevi sobre o seu último romance. O melhor disto tudo é ver as nossas fotos por aí, nas inúmeras actividades em que os escritores acabam por participar. A Livraria Almedina é um desses exemplos, com os encontros Recordar os Esquecidos, onde se fala sobretudo de romances, bons livros, que inexplicavelmente passam ao lado, ou por qualquer razão não são reconhecidos com o seu devido valor. Recordo que num desses encontros alguém falou do Narciso e Goldmundo, extraordinário romance do Hermann Hesse, há muito esgotado. Li-o há alguns anos e para o ter tive mesmo de o comprar a um alfarrabista. Coincidências ou não, o facto é que o livro voltou às livrarias com uma renovada edição. Deixo as duas recomendações. O encontro é já amanhã, às 18 horas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:27

Céu Nublado com Boas Abertas

por fernandodinis, em 25.02.16

19282806_dylmY.jpeg

 © Fernando Dinis - All rights reserved

 

Há umas semanas, numa entrevista que dei para o Público, fizeram-me uma pergunta curiosa; se seguia a máxima ‘never meet your heroes’, no meu projecto fotográfico The Booklovers. Respondi que na maior parte das vezes, nem uma hora conseguia estar com os escritores, sendo escasso o tempo para me deslumbrar ou desiludir. Fotografar o Nuno Costa Santos foi a excepção. Não só me deslumbrei, como regressei do nosso encontro com a feérica ideia de que ainda vale a pena acreditar na Humanidade; o pensamento idílico de que cada pessoa tem algo de bom para partilhar e apreender. Um conceito que parece já não ter espaço na pressa dos dias de hoje.

Combinámos fotografar numa mercearia de bairro, de um indiano de Punjab, por onde passam inúmeras pessoas e histórias do quotidiano. Dos Aforismos de Pastelaria ao actual Melancómico, o traço imagético do Nuno consiste na abordagem dos dias simples, de questões que não irão mudar o mundo, mas que certamente mudarão a nossa visão sobre o mesmo. Circundar a visão alargada e distorcida, para passar a uma observação local e nítida.

Isto para chegar a Céu Nublado com Boas Abertas, a sua primeira obra longa, editada pela Quetzal. Sem querer revelar muito, até porque a leitura é mais do que recomendada, o romance assenta entre o seu regresso às origens e os escritos diarísticos do seu avô, num livro-espelho, alternado em analepses e aventuras improváveis, evocativas do absurdo de Kafka. Com uma mão fortíssima na escrita, sem nunca resvalar em eloquências, mune-se da prática dos seus textos concisos mas acertados, para nos apresentar duas histórias como um todo, lúcido e factual, mesmo nos momentos mais inesperados, onde o humor e ironia são tacitamente reconhecíveis e permanentes.

Uma homenagem ao seu avô que deixa já sementes a que um futuro Costa Santos repita e perdure os encantamentos históricos de uma família. Há quem possa cair na tentação de julgar a simplicidade como trivial. Convém lembrar que as premissas de Nuno Costa Santos estão nos episódios diários, na simples conversa com alguém que espreita a rua pela janela de casa, no pícaro personagem da terra que ornamenta os cafés locais, na suave resignação por tudo o que, tal como na vida real, tem a grande probabilidade em acabar mal. Ou nada disto, e sejamos conduzidos todo o tempo por uma mão invisível que nos segure e leve a uma realidade ficcionada, muito ao género de Vila-Matas.

Não existindo felizmente resposta para estas questões, resta a certeza de que em Nuno Costa Santos existe o olhar cirúrgico pelo que é genuíno e autêntico. Encontrar no comezinho a marca de um dia, a história possível, a beleza no que já é considerado banal e inócuo. E para isso é preciso tempo e estar pronto para se deixar levar. Característica cada vez mais rara em muitos escritores. E um grande escritor tem de estar disponível para viver as coisas pequenas da vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:38

Apontamentos #19

por fernandodinis, em 06.11.15

untitled.JPG

 A moderar o Clube de Leitura sobre Afonso Cruz, Bookpoint PT. Este novembro será sobre Valter Hugo Mãe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:41

Imaginário Colectivo

por fernandodinis, em 19.10.15

Que bela rentrée.

 

loboantunes.jpg

luispeixoto.jpg

nuno judice.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 10:33

Dia Mundial do Livro

por fernandodinis, em 23.04.15

livro.jpg

 

Fonte: Wook

 

Sinopse
Um homem - Artur Poeira, nome já em si premonitório - é esquecido pelo próprio destino.
Os "esquecidos", são, mais tarde ou mais cedo, conduzidos à Casa do Esquecimento pelo seu Destino personificado.
O que acontecerá quando um "esquecido" tem oportunidade de se tornar, ele próprio, o Destino de muitas outras pessoas?
É essa incógnita, que este romance absolutamente invulgar, nos desvenda, numa narrativa estranha e cheia de suspense, a que não são estranhas as influências de Kafka e Murakami.
 
Críticas de imprensa
«Vencedor do Prémio Fnac/Teorema 2008, este livro proporciona uma leitura ritmada, com a dose certa de mistério e ansiedade, resumida num imenso ponto de interrogação. Fernando Dinis, autor de poesia, envereda assim a passos largos pela ficção.» In Os Meus Livros

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:21

Lista de Compras #9

por fernandodinis, em 16.02.15

9789727089642.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:31

Lista de Compras #8

por fernandodinis, em 22.01.15

1507-1.jpg

Yukio Mishima - O Templo Dourado

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:27

E já passaram 12 anos...

por fernandodinis, em 16.01.15

...desde a edição do meu primeiro livro.

10926231_10153513381773102_7528543101077774883_n.j

 "Sei que não adianta partir de cidade em cidade à procura do que não encontro aqui. Estou rodeado de quatro espelhos que me devolvem o rosto irreconhecível. Sacudo os ombros na tentativa de expelir a cabeça. Afago a membrana acústica da escrita. Sons e ritmos invadem-me na seguinte metamorfose. Calco em gesso na memória algumas histórias de criança. Dedico-me passo a passo à contagem das vezes que sorri."

In Dá-me-te, Hugin Editores, 2003

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 14:20

Lista de Compras #6

por fernandodinis, em 12.11.14

image.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:28


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D